XXIV Astrofesta em Monsaraz

A galáxia CR7 vai constituir, muito provavelmente, o tema que mais curiosidade despertará nos participantes na XXIV Astrofesta a decorrer nos próximos dias 25, 26 e 27 de agosto em Monsaraz, nos espaços do “Observatório Lago do Alqueva”. Nesta época do ano não é visível a constelação do Sextante – direção na qual se encontra a galáxia CR7 – por o Sol se projectar na constelação do Leão (um pouco acima do Sextante) e, por isso, ofuscar todos os objetos celestes daquela parte da esfera celeste que, obviamente, só estarão acima do horizonte durante o dia. No entanto, será o investigador português que lidera a equipa internacional que descobriu tão distante galáxia e as particularidades que lhe estão associadas, que fará a apresentação dos detalhes que levaram a procurar galáxias formadas não muitos milhões de anos depois do Big Bang e, em particular, na direção do Sextante, constelação situada entre o Leão, a Hidra e a Taça. Naturalmente não faltarão referências às razões que levam um grupo de investigadores de diversos países a lançarem-se na busca de tão “estranhos objetos celestes”, às técnicas utilizadas e ao significado e consequências futuras da descoberta.

Como sempre acontece nestes momentos dedicados à divulgação de ciência, os investigadores têm o cuidado de apresentar os assuntos em linguagem simplificada, para se tornarem acessíveis, mesmo a quem não tem formação em áreas científicas. Assim sucederá com outros dois temas que constam do programa da Astrofesta (disponível em http://olagoalqueva.pt/) que abordarão “o lado escuro do Universo” e “ondas gravitacionais”, este último a confirmar previsões contidas na teoria de Einstein, no início do século passado, e recentemente detetadas como resultado da “colisão” de dois buracos negros.

Outras palestras e atividades, necessitarão de menor concentração, como os mini cursos de astronomia e de fotografia astronómica, os períodos dedicados à construção e utilização de relógios de sol, quadrantes e astrolábios ou comunicações (que prometem ser muito interessantes) sobre relações entre astronomia, literatura e arte, e existirão ainda momentos para apreciar o Cante Alentejano ou degustar uma açorda, e ouvir – a espalhar-se pelo amplo espaço que engloba a planície e o extenso lago de Alqueva – o som de um carrilhão móvel que, à custa de um notável número e variedade de sinos, recordará alguns dos mais bonitos temas musicais bem conhecidos. Em particular na noite de 26 para 27 (sábado para domingo) serão repetidos os “passeios pelo céu”, ocasiões em que os participantes serão convidados a identificar estrelas e constelações, a ouvir algumas histórias e lendas que lhes estão associadas e a reconhecer direcções em que se encontram alguns dos objetos mais notáveis (nebulosas, enxames estelares e galáxias) que terão oportunidade de ver através dos vários telescópios disponibilizados por astrónomos amadores que, nestes eventos, sempre se dispõem a partilhar máquinas e conhecimentos.